A VOZ DA SEREIA - O AUTISMO E OS IMPASSES NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO

A VOZ DA SEREIA - O AUTISMO E OS IMPASSES NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO

Código: 9788585458355 (CO)

Categorias: Autismo / Psicopatologia

Marca: Ágalma


Autor: Marie-Christine Laznik

Textos compilados por Daniele Wanderley

Tradução: Cláudia Fernandes Rohenkol

Editora: Ágalma

Coleção: de calças curtas

Ano: 2013 - 3ª edição

Nº páginas: 230

Categoria Principal: Psicopatologia


leia mais

item indisponível0 unidades em estoque.
  Avise-me quando disponível

Não disponível

Compre com segurança

Compartilhe

Esta obra é uma homenagem aos leitores, à pluralidade de interlocutores com quem Marie-Christine tem dialogado: psicanalistas com suas diferentes formações: freudianos, kleinianos ou lacanianos; psicólogos, incluindo os cognitivistas; médicos, lingüistas e tantos mais. Escutar ou ler um artigo de Marie-Christine produz efeitos. Vou falar-lhes dos efeitos que tem provocado em mim e em outros que acompanho mais de perto. Com sua paixão pelo que faz, ela tem inovado sua clínica, especialmente aquela com os autistas. Quando atende uma criança cuja língua materna (assim como a de seus pais) não é a sua, ou quando segue as pequenas pistas desconectadas de linguagem, fazendo um trabalho minucioso, tentando captar com a maior fidedignidade possível o significante desse sujeito a se constituir; quando acompanha os efeitos que a voz do outro provoca numa outra criança que escolhe alguns trechos de histórias para historicizar-se; ou ainda quando acompanha atenta as imagens que paralizam um outro menino através dos filmes que vê, Marie-Christine tem seguido seus pequenos pacientes ali onde eles podem levá-la, e com isto também somos levados a refletir mais sobre esta clínica com crianças, ampliando os horizontes que a teoria nos oferece. Assim ela também foi seguindo cada vez mais adiante, mais longe também no tempo, estudando filmes familiares de crianças autistas ainda bebês e, ao mesmo tempo, iniciando o atendimento precoce pais-bebês e estimulando o crescente debate em torno desta nova clínica. Mais uma vez atingindo os mais diferentes discursos, tem sido capaz de levar as contribuições da psicanálise para os cognitivistas e lingüistas, além de considerar os dados destes outros campos para atualizar e avançar na teoria lacaniana. Com a iniciativa de fazer pesquisa com bebês, propondo a utilização de dois indicadores clínicos para a detecção precoce do autismo, Marie-Christine tem levado a psicanálise para a prática pediátrica, e com isto vem estabelecendo critérios para o encaminhamento precoce das crianças com risco de autismo ou com dificuldade no estabelecimento do laço pais-bebês. Este livro é um sintoma. Sintoma de Marie-Christine que se atualiza em tantos outros leitores. Leitores que concordando ou discordando se vêem implicados, capturados pelo seu discurso. Um discurso que provoca uma certa irmandade. Irmandade no sentido talvez de partilhar uma origem, um ponto comum, mas não de um destino igual. Marie-Christine vem convocando esta irmandade, agregando pessoas, colocando pares no meio de ímpares. Para mim, além do valor teórico de suas produções, trata-se também do valor de uma posição ética: a de fazer deslizar o discurso que não se fecha sobre si mesmo. Quando ela lembra Winnicott, dizendo que a tarefa esssencial do pediatra seria a de prevenir doenças mentais, se ao menos ele soubesse, fico tentada a parafraseá-los, trazendo a tarefa do psicanalista como sendo aquela de fazer circular os discursos, se ao menos ele pudesse. Digo pudesse porque não se trata apenas de saber, mas principalmente de poder, com sua subjetividade, situar-se entre os pares e ímpares e continuar a tomar sua palavra em nome próprio. Marie-Christine tem tido este efeito em mim e em tantos outros que, em nome de uma causa, autismo ou bebês, se arriscam a estar juntos falando diferentes línguas. Este livro é o resultado de uma demanda dos leitores que, a cada seminário proferido no Brasil, solicitavam mais textos e material clínico de Marie-Christine. Ele traz a evolução de uma concepção teórico-clínica ao longo do tempo. É um instante de ver, para que cada um possa compreender e em seguida concluir. A Voz da Sereia, título que evoca a questão da voz e seu do impacto no outro, reúne pela primeira vez textos de Marie-Christine sobre o autismo e a constituição do sujeito, alguns dos quais inéditos e outros que se encontravam até então dispersos em diversas publicações. Dentre estes, vários foram publicados pela editora Ágalma, sendo que nesta edição todos os textos foram cuidadosamente revisados pelos editores, pela diretora da coleção e pela própria autora, corrigindo eventuais erros de tradução e acrescentando notas de atualização. Adotou-se o critério de padronização da tradução dos conceitos, conforme o Glossário do Dicionário de Psicanálise - Freud & Lacan, vols. 1 e 2 (Salvador: Agalma,1994, 1998). Sempre que possível, colocou-se ao lado das citações dos Seminários de Lacan, na edição francesa, a referência ao local da citação na edição brasileira. A Voz da Sereia se divide em três partes: a Primeira intitulada Metapsicologia do Infans, apresenta diversos textos, trazendo principalmente uma construção em torno do conceito de pulsão, inicialmente sob o prisma do olhar e em seguida sob o enfoque da voz. Primeiramente temos os textos que tratam do olhar do outro, fundador da imagem do corpo da criança e sua articulação com o autismo. Após estes, os textos que articulam sua hipótese principal em relação ao autismo, ou seja, a ausência do terceiro tempo do circuito pulsional e sua relação com os estudos mais atuais da psicolingüística. O último texto aborda a pulsão na perspectiva de Freud e Lacan. A Segunda parte, Clínica com bebês, apresenta textos inéditos que discutem a intervenção precoce pais-bebês através de casos clínicos, a partir da teorização sobre a pulsão. O caso de Marina apresenta o sofrimento físico de um bebê e seus efeitos na interação com seus pais. O caso de David aborda a relação de uma mãe psicótica com seu bebê e a evolução do tratamento pais-bebês, nos diversos momentos em que a mãe apresentava-se deprimida, e sua tentativa de retomar o investimento libidinal com a criança, bem como as defesas instituídas pelo bebê para lidar com a instabilidade das respostas maternas. O caso de Ludivino apresenta o fragmento de um caso clínico de um bebê com risco de evoluir para uma psicose infantil e a articulação teórica em torno do conceito de representação, a partir de um trabalho cuidadoso sobre o texto de Freud, Projeto para uma psicologia científica, e sua releitura desde a perspectiva da teoria lacaniana. A Terceira parte, Anexos: Conferências e Entrevistas, retoma a demanda dos leitores: duas entrevistas com Marie-Christine (sendo uma inédita) e duas conferências sobre risco de autismo em bebês aproximam o público de sua voz. Esperamos que este livro continue a insistir na sua repetição, a de fazer circular os discursos e ampliar a reflexão em torno da clínica precoce pais-bebês

Prefácio, 09
Daniele Wanderley

Introdução, 13
Marie-Christine Laznik

Parte I
Metapsicologia do infans
Textos relativos à pulsão: olhar, voz e representação

Poderíamos pensar numa prevenção da síndrome autística?, 21

Os efeitos da palavra sobre o olhar dos pais, fundador do corpo da
criança, 36

Do fracasso da instauração da imagem do corpo ao fracasso da
instauração do circuito pulsional- Quando a alienação faz falta, 49

A voz como primeiro objeto da pulsão oral, 69

Por uma teoria lacaniana das pu1sões, 88

Parte II
Clínica com bebês

Tratamento conjunto Mãe-bebê, 109

O caso David, 119

Entre estereotipia e linguagem, 132

Parte III
Anexos: Conferências e entrevistas

Psicanalistas que trabalham em saúde pública, 155

Risco de autismo em bebês, 178

O autismo e as formações do inconsciente - Entrevista por
Thereza G Curi, 185

Entrevista por Laura Battaglia, 200



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento