O PSICANALISTA VAI AO CINEMA V.1

O PSICANALISTA VAI AO CINEMA V.1

Código: 9788573963212


Autor: Sérgio Telles
Editora: Casa do Psicólogo
Ano: 2012 - 3ª Edição
Número de páginas: 188
Categoria principal: Psicanálise, Arte e Cultura


R$51,00

até 2x de R$25,50 sem juros

1 unidade em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

Cinema e teatro servem de pretexto para um exercício apaixonado de psicanálise e terapia familiar, num estilo próprio ao autor, baseado principalmente nos conceitos freudianos e lacanianos.

Apresentação 9

Montenegro ou porcos e pérolas - O eclodir da psicose 11

Pink Floyd - The wall 17

Atração fatal 21

Wall street - A reiteração do crime edípico 25

Sociedade dos poetas mortos 27

Paternidade 31

O que teria acontecido se eles tivessem ido a uma terapia familiar? 33

Carrington 37

Crash - A anomia vista por Cronenberg 41

Uma estranha estrada, a de Lynch 45

Amor além da vida 49

Sobre o filme Caráter 53

Algumas observações sobre o filme Truman, o show da vida 63

Algumas ideias sobre a família (Dia das mães, comentários
sobre os filmes Festa de família e happiness, terapia de família) 77

Os idiotas 85 .

Algumas observações sobre o filme De olhos bem fechados 91

Tudo sobre minha mãe (e nada sobre meu pai) 103

Anotações acerca de American beauty. 109

Questões ligadas a problemas de gênero sexual e travestismo em três filmes 113

Magnólia 121

Gente da Sicília - A procura da maturidade 125

Cronicamente inviável, de Sergio Bianchi (2000) 127

Estórias roubadas - Peça de Donald Margulies 129

A pulsão de morte em Dançando no escuro, filme de Lars Von Trier (2000) 133

Traffic, filme de Steven Soderbergh (2000) 139

Bicho de sete cabeças - Algumas ideias em torno do filme de Laís

Bodanzky (2000) 143

Narcisismo e ética em Inteligência artificial, filme de Stephen Spielberg (2001) 151

Histórias proibidas (Storytelling, de Todd Solondz, 2002) - Um passeio pelo lado escuro 163

Cidade de Deus - A exclusão e o processo civilizatório 169

Seria a condição feminina o tema central de As horas?
Ou aqui ninguém tem medo de Virgina Woolf. Pelo contrário 177



Forma de pagamento

Forma de pagamento