O QUE LACAN DIZIA DAS MULHERES

O QUE LACAN DIZIA DAS MULHERES

Código: 9788571108882

Categorias: Lacan / Lacan

Marca: Jorge Zahar


Autor: COLETTE SOLER
Tradução: VERA RIBEIRO
Editora: JORGE ZAHAR
Ano: 2005
Número de páginas: 245
Categoria principal: Lacan

leia mais

item indisponível0 unidades em estoque.
  Avise-me quando disponível

Não disponível

Compre com segurança

Compartilhe

Com um olhar penetrante, Colette Soler mistura teoria com especialidade clínica. Ela explica de forma sedutora o que Lacan pensou sobre a controversa questão de diferença sexual. Com o cuidado que esse tópico merece, a autora discorre sobre questões como a concepção de mulher e a relação com o masoquismo, a ligação entre feminilidade e histeria e entre amor e morte, e a relação sexual impossível de que Lacan fala. Além dos conceitos comuns lacanianos, O que Lacan dizia das mulheres também explora o papel da mãe no inconsciente, a compreensão lacaniana de depressão e a razão por que os depressivos não se sentem amados.Não é preciso ser feminista para perceber os preconceitos de Freud, muito característicos do fim do século XIX. Os debates pós-freudianos da primeira metade do século XX, inspirados numa preocupação totalmente inversa com a eqüidade, não fizeram a questão avançar.Foi preciso chegar à segunda metade do século e a Jacques Lacan para que algo novo se fizesse ouvir. A subversão sexual já estava em curso na civilização, e era impossível ignorar, neste começo de século XXI, o que por pouco a psicanálise deixou escapar.

Prólogo: Anna O., a primeira, 9


PARTE I

Che Vuoi?

1. Uma mulher, 15

A resposta do Édipo, 16. As manifestações do não - todo, 18.
Que quer essa mulher?, 19. A marca da mulher, 22. Programa clínico, 23.

2. Que diz dela o inconsciente?, 25

A mulher freudiana, 25. Lacan freudiano?, 27. A lei do desejo, 28.
Elementos de clínica, 29. Ares de sexo, 31. O desejo feminino interpretado, 33. A mulher não é a mãe, 35. O Outro absoluto, 36.


PARTE II

Clínica Diferencial

Introdução, 41

1. Histeria e feminilidade, 42

A estrutura de linguagem, 43. O sonho é uma metáfora, 44. A metonímia no sonho, 45. O sujeito do inconsciente, 47. Três identificações, 47. Histeria e posição feminina, 51. Fazer desejar..., 53. O amor, feminino, 56.

2. A mulher, masoquista?, 58

A metáfora do masoquismo, 59. Ares de masoquismo, 62. Ares de mulher, 64. Masoquismo moral?, 66.

3. Aflição feminina, 70

A querela da depressão, 70. Sinal do tempo, 72. Esses deprimidos de quem não gostamos, 73. Os ditos da depressão, 74. A causa do desejo tomada pelo avesso, 76. Eficácia da castração, 77. Clínica diferencial, 79. Um suplemento de melancolia, 80. Um fiapo de tristeza, 81. Benefícios do bem-dizer, 84.


PARTE III

A MÃE

1. A mãe no inconsciente, 87

O debate sobre a mãe, 88. As recriminações feitas à mãe, 90. Potência materna, 91. O filho-objeto, 92. O filho intérprete, 93. A mãe. Outro, 95

2. A angústia da mãe, 98

Questionamento do amor materno, 98. A mãe, a mulher, 99.A dupla ausência, 100. A angústia, 101. O serviço da mãe, 102. Um amor nomeável, 103.

3. Uma neurose infantil, 104

A interpretação encarnada, 104. Procurem a neurose infantil, 106. Piggle e Hans, 107. Piggle pré-interpretada, 110. As palavras do inconsciente, 111. A questão da transferência, 113. Nôs, as meninas..., 114. O supereu, 116. Winnicott intérprete, 117.


PARTE IV

As mulheres na civilização

1. A histérica da época da ciência, 121

Hystória, 121. Repercussões da ciência, 122. Hoje e amanhã, 125.

2. Novas figuras da mulher, 127

Mudanças pelo avesso, 128. A recuperação fálica, 130. Voltando à mulher freudiana, 130. Fantasias inéditas, 132. Sintomas inéditos, 133.

3. Éticas sexuadas, 136

As aporias do sexo, 136. Identificação ou sexuação, 137. A maldição, 138. A perversão generalizada ou o Outro, 139. O amor homossexual, 141. A ética do celibatário, 143. Abonados do inconsciente homossexual, 144. Nada de contrato sexual, 145. Foraclusão redobrada, 146. A ética da diferença, 147.

4. Incidência social da sexualidade feminina, 149

Por que ainda casar?, 149 As recorrentes do amor, 753


PARTE V

A maldição

1. O amor não louco, 159

Maldição/má-dicçao, 159. Figuras do amor, 160. Altos feitos do amor e
crônica do cotidiano, 162. Antecipações, 163. Extravio, 164. Inventário, 165. O Outro que existe, 168. Função do amor, 169. Fazendo as contas, 171.

2. Por causa dos gozos, 174

A hipótese do falasser, 175. Sintoma generalizado, 175. O sintoma pai, 177. Desejo de paternidade?, 179. Uma mulher, sintoma, 18. Gozar com o inconsciente, 182. A loucura do amor, 183. O homem-devastação, 184. Absolutização do amor, 185.


PARTE VI

A análise

1. Sintoma de separação, 189

Uma posição revista, segundo Freud, 189. Identificar-se com o próprio sintoma?, 191. Duas identificações de término, 193. Sem o Outro, 194.
A função do sintoma, 196. O sintoma na transferência, 197. Acreditar nisso, 198 . Amar seu sintoma?, 200. Um amor ateu, 201.

2. Fins... do amor, 205

A batalha da transferência, 206. Soluções do amor transferencial?, 209. Os dois amores, 210. O nome do sintoma, 212. Sintoma-prôtese, 214.


Conclusão, 215

Efeitos sociais, 215. Na psicanálise, 218. Disparidade dos fins, 219.


Anexo, 221


A diferença entre os sexos na análise, 221.


Nota da autora, 235


Notas, 237



Forma de pagamento

Forma de pagamento