MELANIE KLEIN II - O EGO E O BOM OBJETO (1932-1960)

MELANIE KLEIN II - O EGO E O BOM OBJETO (1932-1960)

Código: 9788527303798

Marca: Perspectiva


Autor: Jean-Michel Petot

Tradução: Belinda P. Haber e outros

Editora: Perspectiva

Ano: 2016 - 2ª edição

Coleção: Estudos 96

Número de páginas: 248

Categoria Principal: Melanie Klein


R$64,90

até 2x de R$32,45 sem juros

3 unidades em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

A fecundidade e a riqueza das idéias de Melanie Klein, a partir de 1932, podem ser comparadas às de Freud. Nesta obra, Petot procura estabelecer o que Klein verdadeiramente disse, quando e como, uma vez que ela reelaborava suas teorias à medida que as confrontava com a realidade clínica. Parte da formação da teoria da posição depressiva, concebida entre 1934 e 1946, para depois mostrar como o aprofundamento da clínica dos mecanismos esquizóides orienta sua atenção para a relação arcaica com o seio bom que se estabelece nos primeiros três meses de existência da criança. Por fim, o autor dedica-se a demonstrar as convergências das concepções de Klein com as de Piaget.

Prefácio ..................................................................................... XIII

Parte I: A posição depressiva............................................ 1

1. A Entrada na Posição Depressiva e a Natureza da Ansiedade Depressiva...................................... 3

1. O objeto parcial e o objeto total...................................... 5

2. Natureza e variedades da ansiedade depressiva............ 6

2. A Clivagem Depressiva......................................................... 11

3. Os Mecanismos de Reparação e a Posição Maníaca........... 15

 1. A defesa maníaca e a nostalgia ...................................... 17

 2. O sentimento de onipotência e o domínio dos pais combinados internos.............................................................. 17

 3. A recusa........................................................................... 18

 4. A idealização ................................................................... 19

 5. O triunfo .......................................................................... 20

 6. Formas maníaca e obsessiva da reparação ..................... 21

4. A Introjeção do Bom Objeto ................................................. 27

 1. O chassé-croisé dos conceitos de introjeção e identificação.................................................. 28

 2. A identificação empática................................................. 32

 3. A introjeção e o estabelecimento do bom objeto no self 33

 4. O mundo interior e as relações de objeto internas......... 34

  4.1 O trabalho do luto normal: fortalecimento e aprofundamento das relações de objeto internas ......... 36

  4.2 A equivalência prática da introdução do bom objeto e da identificação ....................................... 40

5. A Evolução da Teoria da Posição Depressiva Após 1945 ............. 43

6. O Papel da Posição Depressiva na Evolução Psicológica da Criança.....................................49

 1. A posição depressiva e o desmame ...............................50

 2. A posição depressiva, a educação para a higiene e o desenvolvimento motor .................................................52

 3. A evolução da teoria kleiniana do complexo de Édipo após 1932........................................................................55

 4. Complexo de Édipo e posição depressiva ......................56

 5. Genitalidade e reparação na etapa edipiana tardia: o exemplo da sexualidade feminina ..................................61

 6. A posição depressiva e a neurose infantil..................... 65

7. Os Paradoxos Kleinianos da Posição Depressiva................ 69

 1. A unificação do objeto, que desencadeia a posição depressiva, é um fenômeno cognitivo................................ 71

 2. A ansiedade depressiva não se confunde com a ansiedade de separação............................................................ 73

 3. A clivagem das imagos não é um mecanismo da posição paranóide que seria abandonado no início da posição depressiva. É, ao contrário, tipicamente depressiva ............74

 4. A posição depressiva que se inicia não se expressa enquanto tal, manifestando-se primeiramente sob a forma da posição maníaca....... 75

 5. A emergência da posição depressiva completa, comportando todas as nuanças da ansiedade depressiva e todos os mecanismos de defesa específicos, parece posterior ao abandono das defesas maníacas ................................ 77

 6. O início da posição depressiva infantil coincide com o estágio dos quadros intersensoriais unificados mas ainda não permanentes. O estabelecimento do objeto, que é o processo fundamental da perlaboração da posição depressiva, corresponde à formação do esquema do objeto permanente.................................................... 80

Parte II: Da psicologia das defesas esquizóides para a metapsicologia da inveja e da gratidão.......................................................... 91

8. A Formação e a Evolução da Concepção da Posição Paranóide de 1935 a 1945 ........................................... 95

9. A Psicologia dos Mecanismos Esquizóides ........................ 99

 1. O reconhecimento da natureza esquizóide da clivagem. 99

 2. Clivagem violenta do self e a pulsão de morte ............... 101

 3. A clivagem dicotômica e a repressão ............................. 106

 4. O fracasso da clivagem dicotômica e a confusão .......... 109

  4.1 Formas e variedades da confusão mental ............ 110

  4.2 Estados confusionais e situações ansiógenas .... 113

 5. A clivagem fragmentadora.............................................. 115

 6. Notas sobre a evolução da noção de clivagem esquizóide 116

 7. A idealização ................................................................... 118

 8. A recusa .......................................................................... 119

 9. A noção de identificação projetiva e as aporias da concepção kleiniana da identificação anterior a 1946 .......... 120

 10. A definição da identificação projetiva.......................... 123

 11. A identificação projetiva e a ameaça à identidade pessoal ................................................................................ 126

10. A Natureza das Situações Ansiógenas e dos Afetos Disfóricos da Posição Esquizo-Paranóide ...................... 129

 1. A dimensão depressiva da preocupação com o self e a raiz egoísta da preocupação com o objeto ..................... 131

 2. Alcance e limites da reavaliação final da distinção entre ansiedade paranóide e depressiva............... 133

11. A Inveja e a Gratidão, Determinantes Internos da Frustração e da Gratificação ....................................... 139

 1. Privação e frustração...................................................... 141

 2. Avidez............................................................................. 142

 3. O estatuto metapsicológico da avidez........................... 144

 4. O conhecimento inato do seio bom ............................... 147

 5. O seio bom como símbolo da criatividade..................... 151

 6. A gratidão....................................................................... 152

 7. A inveja .......................................................................... 155

  7.1 Afetos invejosos e ataques invejosos................. 156

  7.2 Existiriam defesas contra a inveja? ....................... 161

12. A Metapsicologia Kleiniana e os Processos de Mudanças 163

 1. Funções inatas do ego e construção do aparelho Psíquico......... 163

 2. A oposição entre o bom e o mau, princípio da articulação da tópica e da teoria das pulsões no sistema de Melanie Klein........................ 167

 3. Manifestações e determinantes da força e da fraqueza do ego..... 170

 4. Qual o papel etiológico dos fatores do meio nas últimas concepções de Melanie Klein? ................................ 171

 5. A questão da possibilidade da mudança terapêutica ... 174

13. A Atualidade das Últimas Concepções Kleinianas........... 179

 1. Existe desde o nascimento uma relação objetal com a mãe 180

 2. A orientação em direção à mãe é inata .......................... 182

 3. As primeiras relações de objeto do lactente são fundamentalmente narcísicas............................... 184

Uma discussão brasileira sobre Melanie Klein ....... 189

 1. O A-Historicismo Deformante na Difusão do Pensamento Kleiniano

 Elisabeth Lima da Rocha Barros e Elias Mallet da Rocha Barros................................................................... 191

 2. Visitando a Velha Senhora - Renato Mezan....................... 201

 3. Psicanálise ou Psicanálises - Mirían Chnaiderman.......... 207|

 4. Aparte das Tradutoras......................................................... 215

Bibliografia.................................................................................. 219

 1. Bibliografia Cronológica dos Escritos de Melanie Klein a
Partirde 1932......................................................................... 219

 2. Bibliografia Geral da Presente Obra ..................................... 222

 



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento