O TEMPO DO SER-VIL - O MERCADO PERVERSO DA SERVIDÃO

O TEMPO DO SER-VIL - O MERCADO PERVERSO DA SERVIDÃO

Código: 9788531209338

Categorias: Perversão / Psicopatologia

Marca: Imago


Autor: Luís Alberto Helsinger

Editora: Imago

Ano: 2004

Número de páginas: 276

Categoria Principal: Psicopatologia - Perversão



R$31,80

até 7x de R$5,10

2 unidades em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

É com grande satisfação que escrevo sobre este livro, O Tempo 
do Ser-Vil de, Luís Alberto Helsinger. Tive a honra de conhecer este trabalho como membro da banca que o aprovou como tese de doutorado em Teologia Psicanalítica, na Universidade Federal do Rio de Janeiro. O Tempo do Ser-Vil revelou-se um estudo dotado de criatividade, apontando argumentos inovadores e uma saudável 
ousadia intelectual diante de uma temática complexa.

Assim, para decifrar o multifacetado mundo da perversão, o texto de Luís Alberto reúne, além da psicanálise, saberes como política, economia, historia, antropologia, filosofia e linguística. No percurso que o autor propõe, passamos por casos clínicos, nazismo, tráfico de drogas, literatura brasileira, globalização, cinema, artes plásticas e escravidão. Este esforço multidisciplinar traduz um estudo atento para o que se passa além de si mesmo, sintonizado com uma generosa visão da alteridade e, principalmente, marcado pela diluição das fronteiras tradicionais do saber, permitindo ao leitor o contato com um pensamento que se amplia e no qual algumas questões centrais de nosso tempo se fazem presentes.

 

Penso que a boa produção acadêmica – o caso deste livro – se evidencia mais pelas questões que ela abre, pelo sentido renovador da discussão que nela se inscreve, do que pelas certezas congeladas ou verdades de ocasião. Neste sentido, O Tempo do Ser–Vil nos 
oferece o prazeroso exercício de ler um texto que interroga a si próprio, interroga outros textos e interroga os leitores. Um estudo intelectualmente complexo e dotado de uma perspectiva, suscitando a vontade de ampliar o debate nele inscrito.

A perversão pede passagem................................................................................17

Introdução..........................................................................................................21

      Objeto da pesquisa............................................................................23

      Relevância da pesquisa..............................................................................23

      Metodologia...............................................................................................25

 

PARTE I

CONCEPÇÃO DA PERVERSÃO EM FREUD

 

        Concepção da Perversão em Freud..................................................................................29

        Sexualidade Polimorfa Perversa e Perversão.....................................................................30

TEMPO E PSICANÁLISE......................................................................................79

        Estrutura e Perversão..........................................................................................89

        Tempo e Perversão....................................................................................94

        Contribuições de Lacan ao Campo das Perversões..............................................99

TEMPO DO GOZO.................................................................................................105

        Tempos fora, do gozo há mais...............................................................................105

        Para além dos princípios: o tempo do gozo...........................................................115

UM CASO CLÍNICO DE PERVERSÃO – Amanhã Eu Volto...

        Sem Falta!: O masoquismo Perverso e os tempos Suspensos (Helsinger,1996).........123

        A eleição de um impasse clínico e seus destinos...........................................................123

        O caso clínico e seus destinos (breves dados históricos), análise anterior, queixas atuais)......124

        As entrevistas preliminares – O relógio roubado..............................................127

        A demanda de análise.......................................................................................130

        O início da análise: Aids, para que te quero?.....................................................132

        O processo analítico diante de transgressões.

                  Contrato e perversão.........................................................................134

        Transferências e perversões............................................................................................136

        Fantasias em Ação..................................................................................................137

        O masoquismo feminino.........................................................................................138

        Transformações................................................................................................139

        O cenário masoquista perverso e a recusa da castração

                   O desafio, a morte, as drogas, a prostituição, o gozo......................................140

        A volta da falta sem voltas.......................................................................................141

        Fundamentos teóricos a partir do fundador da Psicanálise

                   Freud e a releitura lacaniana sobre a perversão...............................................142

        Possíveis conclusões deste trabalho clínico...............................................................144

 

PARTE II

PERVERSÃO E CULTURA

 

DA MORAL SEXUAL CIVILIZADA (Freud, 1989)................................................................149

      Mal-estar – Segurança/Justiça..........................................................................152

SADE, NOSSO CONTEMPORÂNEO – JUSTINE..............................................................159

SO-DOMA – QUEM SADE?...........................................................................................165

      A semântica da penetração em Sade......................................................................165

      Assassinos por natureza (Natural Born Killers)...........................................................170

DO NAZISMO À GLOBALIZAÇÃO: CRIMINALIDADE E NARCOTRÁFICO................................173

TEMPOS DE INDIFERENÇA...........................................................................................175

      Alerta Metodólogico..................................................................................................176

      Criando casos. Fragmentos de umas totalidades, em pedaços....................................176

      Melancolia – uma solução final? Novas sombras: há não-ser, não exterminados.................179

TRIUNFO DA VONTADE.........................................................................................181

      Um documentário -> um documento histórico.....................................................182

GLOBALIZAÇÃO..........................................................................................................191

ROUBARAM MEU DESENHO, OS CANALHAS...!..........................................................197

O ENGODO DE UMA PUNIÇÃO (Helsinger, 1989)..............................................203

      A demanda através de um crime......................................................................203

      “Eu não vim, eu não quero discutir o sexo dos anjos...”........................................205

      Querer... Querelle...........................................................................................206

      O tiro no meu ouvido enquanto eu dormia. O engodo da punição........................207

      Crime e castigo................................................................................................208

      Algumas críticas à globalização são contundentes..............................................209

CRIMINALIDADE E NARCOTRÁFICO..............................................................................217

BRASIL: COLONIZAÇÃO – ESCRAVIDÃO – SERVIDÃO..................................................221

      Colonizações – Domínios e Perversidades...........................................................223

      Colonização – Escravidão....................................................................................225

      Brasil – Escravidão – Servidão............................................................................229

      Servidão – Servilismo.........................................................................................240

O COMPLEXO DE PANCRÁCIO

      Conto “Abolição e Liberdade”, de Machado de Assis (19 de maio de 1888)...................253

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...............................................................................259



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento