POESIA, PSICANÁLISE E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: REVERBERAÇÕES

POESIA, PSICANÁLISE E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: REVERBERAÇÕES

Código: 9788571373044 (CO.)

Marca: Escuta


Autor: Eduardo Rodrigues Peyon
Editora: Escuta
Ano: 2011
Nº páginas: 288
Categoria Principal: Psicanálise, Arte e Cultura


R$66,02

até 2x de R$33,01 sem juros

1 unidade em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

Nesta obra o autor Eduardo Rodrigues Peyon desnuda a aparente simplicidade desta pergunta: Por que os psicanalistas, em sua maioria, valorizam o poético?
O ponto de partida é a necessidade de estabelecer as fronteiras entre a Psicanálise, a Poesia e o Conhecimento. Em seguida, mergulha na obra de Freud para buscar nas entrelinhas, nos brancos e nas margens dessa escritura a vocação da psicanálise ao discurso científico e poético.

Surpreendentemente, Peyon recorre à metáfora freudiana dos neurônios e demonstra que, mesmo antes de sua fundação, a psicanálise andava de braços dados com a poesia. Com efeito, enquanto a ciência positivista procurava fixar a verdade por meio de conceitos básicos definidos com precisão, Freud inventava uma fábula neurológica e aliava-se àqueles que contestavam a universalidade e eternidade das ideias: escritores e poetas.

Nosso autor revê os diversos momentos em que Freud estabeleceu um diálogo com a literatura e desconstrói vários dos preconceitos que pesam sobre o tema. Daí o porquê de ter se apropriado da letra de Jacques Derrida como um dos fios condutores de seu pensamento.

O texto revela um traço pouco comum para um livro didático: Eduardo testemunha o fato de que a poesia emergiu em sua vida articulada ao seu próprio processo analítico. Razão pela qual trata-se, também, de uma obra extremamente poética escrita por um psicanalista.

Introdução:
Entrincheirado numa tríplice fronteira: psicanálise, poesia e conhecimento 11
O que seria a poesia se pudéssemos dizer o que ela é? 23
A poética no âmbito do nascimento da filosofia 27
Idade Média: uma travessia para as Luzes 41
Renascimento e Classicismo: o racionalismo mata a poesia? 47
Vico e a Nova Ciência: um questionamento ao método científico em sua aurora 50
A crítica romântica ao império da razão 62
Os cursos de estética de Hegel: o fim da poesia? 81
Heidegger e o habitar poético 93
A poesia na obra de Freud: uma (re)-visão
Um Projeto poético? A poética dos neurônios em Freud 118
Sonhos, poesia e re-velação 127
O livro dos chistes: quando o inconsciente lança raios! 174
Der Dichter: o poeta, o escritor criativo: mas,
Onde encontrou tantas histórias Lodovico? 183
O elemento estranho, o elemento criativo... 188
Dostoievski e o parricídio: depor ou não depor armas? 191
Quando o ouriço chorou, eu fiz poesia: Derrida e a vocação
desenclausuradora da psicanálise 197
Gramatologia. Ciência da escritura. Condição da ciência 206
Mal de arquivo: pulsão de morte e memória 220
Estados-da-alma da psicanálise: o além do para além... 238
Minha carta chegará ao seu destino? 253
A carta rasgada: Dupin, matemático e poeta.
A cena de uma leitura... 256
Considerações finais 271
Referências 279



Forma de pagamento

Forma de pagamento