PSICOLOGIA INSTITUCIONAL - COLEÇÃO  TEMAS BÁSICOS DE PSICOLOGIA

PSICOLOGIA INSTITUCIONAL - COLEÇÃO TEMAS BÁSICOS DE PSICOLOGIA

Código: 9788512624600

Marca: E.P.U.


Autor: MARLENE GUIRADO
Editora: EPU
Ano: 2012
Coleção: TEMAS BÁSICOS DE PSICOLOGIA
Número de páginas: 133
Categoria Principal: Psicologia Social e de Grupos

leia mais

R$80,00

até 2x de R$40,00 sem juros

1 unidade em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

Este livro foi originalmente escrito em 1987. Quando de sua revisão, buscou-se uma certa atualização de expressões e situações datadas, características daqueles momentos. Os autores aqui trabalhados eram, naquela ocasião, mais freqüentemente ouvidos e/ou citados nas diferentes ocasiões em que o psicólogo buscasse informação e formação sobre como trabalhar junto a instituições diferentes da do consultório. José Guilhon Albuquerque, por exemplo, dedicava-se a pensar diretamente as instituições de saúde e as questões relativas à saúde mental. José Bleger era bibliografia quase obrigatória para o estudo dos grupos e Georges Lapassade era, embora com menos freqüência, convocado para questionar qualquer viés psicologizante das atuações de profissionais em Psicologia. Há aí, de fato, modelos de intervenção e/ou compreensão dos processos institucionais que, com o tempo, vão ganhando um certo perfil clássico, básico para quem quer se interesse pelo assunto e vá trabalhar com isso.

É assim que se mantêm, os três, absolutamente atuais e fundamentais, sobretudo no que diz respeito à possibilidade de diferenciar as atuações dos profissionais de psicologia.

Nesse sentido, a concepção de instituição como conjunto de práticas concretas (Guilhon Albuquerque) permanece, até hoje, um importante organizador da proposta que se fará, no Capítulo 4, de uma atuação que garanta a especificidade do trabalho psicológico num terreno que é caracteristicamente estudado pela sociologia: as instituições.

Esse quarto capítulo, em especial, recebeu uma revisão detalhada. Mesmo assim guardou o eixo inicial da sua formulação. Apesar de já ter escrito mais sobre o tema em diferentes artigos, e livros, decidi manter o escopo inicial do capítulo por se tratar, aqui, de um livro de temas básicos. Além disso, as derivações deste modo de pensar na pesquisa no consultório e nas instituições outras onde se venha fazer a psicologia poderão encontrar, em outras ocasiões, suas possibilidades de desenvolvimento. Por exemplo, Instituição e Relações Afetivas (Summus, 1986), Psicanálise e Análise do Discurso (Summus, 1995), A Clínica Psicanalítica na Sombra do Discurso (Casa do Psicólogo, 2000).

Por ora, basta desenhar as linhas mestras dessa estratégia de pensamento que faz a ordem do psicológico passar pela do institucional. Isto é o que permanece suficientemente original e estranhamente, até hoje, pouco compreendido, a julgar pelas diversas ocasiões em que são discutidas tais idéias.

Talvez, em nenhum outro texto que eu mesma tenha escrito, ficou tão destacada a importância de formular uma proposta de atuação do psicólogo que garanta, de um lado, a especificidade de objeto da Psicologia e, de outro, o mapeamento do jogo de forças, das relações de poder, característicos das instituições. De qualquer forma, uma subjetividade matriciada nas relações institucionais concretas é o que se propõe como o sujeito psíquico, alvo das atuações do psicólogo onde quer que faça sua Psicologia. Este é o ponto a que se chega com a proposta desenvolvida no Capítulo 4, com apoio em concepções de grupos, instituições, relações de autores de destacado reconhecimento na área.

A proposta final não é exatamente a de Bleger, nem a de Lapassade ou a de Guilhon. É sim, uma possibilidade de pensar, além desses modos particulares de compreender, uma leitura institucional do trabalho com a Psicologia.

Prefácio geral da coleção ............................................................... 07

Apresentação da 2a edição revista e ampliada............................... 09

Preâmbulo

Das Psicologias Institucionais.................................................. 13


1. A psicologia institucional de Bleger .................................... 21

1.1. O psicôlogo, a comunidade e a instituição: da conceituação da ciência à intervenção ................................ 22

1.1.1. O conceito de Ciência ................................................... 23

1.1.2. O conceito de Psico-higiene ......................................... 26

1.1.3. Psicologia institucional................................................... 28

1.2. Psicologia Institucional: elementos para a compreensão das relações instituídas ....................................... 39

1.2.1. O sincretismo e a identidade do sujeito ........................ 40

1.2.2. A comunicação e o grupo ............................................ 43

1.2.3. A instituição e a organização ....................................... 46

1.3. Da compreensão à postura psicanalítica.................................. 48


2. A análise institucional de Georges Lapassade.............................. 51

2.1. Os três níveis da realidade social............................................. 54

2.2. A instituição .............................................................................. 56

2.3. Estado e Ideologia...................................................................... 60

2.4. Burocracia e poder ................................................................... 62

2.5. A Análise Institucional ............................................................... 69

2.5.1. A análise institucional e o Estado .................................. 71

2.5.2. Análise Institucional x Análise

Organizacional................................................................................ 73

2.5.3. As vias de Análise: palavra x ação............................... 75

2.5.4. A crítica ao movimento e ao conceito de Análise Institucional...................................................... 78

2.6. Eis um livro ambíguo................................................................... 81


3. A análise das instituições concretas de Guilhon Albuquerque ....... 83

Elementos para uma análise da prática institucional
(José Augusto Guilhon Albuquerque).......................................... 87

Limites da atenção médica como serviço pessoal......................... 97

1. Limites organizacionais ....................................................... 98

2. Limites institucionais............................................................. 99

3. Limites internos da atenção médica ................................... 102


4. Psicologia Institucional: em busca da especificidade de atuação do psicólogo ................................................ 104

4.1. A Psicanálise, a Análise de Instituições Concretas e a Psicologia Institucional..................................................... 104

4.2. Revendo .................................................................................. 106

4.2.1. Eleger............................................................................. 106

4.2.2. Lapassade .................................................................... 108

4.2.3. Guilhon .......................................................................... 110

4.3. A questão do objeto e da especificidade do trabalho institucional do psicólogo............................................................ 110

4.4. Decorrências de uma especificidade......................................... 121

4.4.1. Equipe multiprofissional .................................................. 121

4.4.2. Trabalho político e trabalho psicolôgico ......................... 124

4.4.3. A questão do contexto: o psicólogo na Saúde Mental, na Educação, na Produção .............................................. 127

4.5. Um ponto de partida.................................................................... 129


Referências bibliográficas ................................................................ 131






RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento