O BEM-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO

O BEM-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO

Código: 9788544407486

Categoria: Lacan

Marca: Editora CRV


Autor: Francisco Paes Barreto
Editora: CRV
Ano: 2016
Número de páginas: 248
Categoria Principal: Lacan

leia mais

item indisponível0 unidades em estoque.
  Avise-me quando disponível

Não disponível

Compre com segurança

Compartilhe

A psicanálise tem o que oferecer à medicina, à psiquiatria, à saúde mental, à cultura. Sua contribuição não é importante sob o ponto de vista quantitativo; sua validação não se faz pelo método estatístico. Constatação particularmente preciosa nos dias atuais, em que prevalece verdadeira ditadura da quantificação. A importância de sua contribuição é de ordem qualitativa. E ainda que seu alicerce seja constituído de casos únicos, isso não impede a construção de afirmações de validade geral. Para Lacan, tudo o que a psicanálise sabe sobre a neurose obsessiva se deve à análise que Freud realizou do homem dos ratos. Outro exemplo: Freud causou escândalo ao afirmar a existência da sexualidade infantil. Hoje, há quem se oponha a essa concepção?
A contribuição da psicanálise não é da ordem da boa nova, não é da ordem da salvação, é da ordem do questionamento. Ajuda a evitar proposições simplistas e a devolver a cada problema a complexidade que lhe pertence. A psicanálise interpela seus próprios parâmetros e os próprios psicanalistas! O ensino de Lacan é magnífica prova do que acaba de ser dito. Miller cunhou a expressão Lacan contra Lacan, para discernir como foi possível contestar e refazer incessantemente o próprio percurso, a ponto de formular, em diferentes momentos, proposições diametralmente opostas. O que não é exclusividade da psicanálise. A física, considerada disciplina paradigmática da ciência, apresenta algo correlato, que pode ser captado quando se aproxima a mecânica clássica da teoria da relatividade e da mecânica quântica.
Os tópicos delineados são desenvolvidos nos ensaios que compõem o livro.

SUMÁRIO

PREFÁCIO 11

INTRODUÇÃO LITERÁRIA 15
O inventor da pólvora

CAPÍTULO I
PSICANÁLISE: A SUBJETIVIDADE DE NOSSA ÉPOCA

O Normal e o Patológico (para a Medicina, para a Psiquiatria, para a Saúde Mental e para a Psicanálise) 19
O bem-estar na civilização 33
A angústia de nosso tempo 47
Os efeitos da ciência sobre o corpo (O corpo-máquina da medicina, o corpo
neuronalda psiquiatria biológica, o corpo remodelado da medicina plástica) 53
A responsabilidade do toxicômano 59
A tese do aborto como assassinato 67
Violência no Brasil. A delinquência dos poderes constituídos 71
Porque a violência? 79

CAPÍTULO II
PSICANÁLISE: ENSAIOS

A questão do mecanismo de defesa (operação estruturante) específico da psicose 97
S ou a Síndrome do Automatismo Mental, de Clérambault 107
Lacan e a apresentação de pacientes 111
A querelância e o Judiciário 115
Semblante e laço social 121
O casamento da histérica com o obsessivo 125
A interpretação borromeana 131
Todo mundo delira, menos o esquizofrênico 135
Psicanálise e transmissão: a política da experiência psicanalítica 139

CAPÍTULO III
PSICANÁLISE: MATEMAS

O homem e a mulher, a lógica e a psicanálise 14
O real sem lei da ciência 15
LACAN E A ESTRUTURA (Introdução à topologia lacaniana) 16
Parte I: A estrutura é a estrutura da linguagem 16
Parte II: A estrutura é a estrutura lógica 175
Parte III: A estrutura é a estrutura topológica 187

CAPÍTULO IV
A PSICANÁLISE E A REFORMA PSIQUIÁTRICA DE MINAS

Entrevista: Francisco Paes Barreto 203
O aberto e o fechado (Uma questão topológica para a Reforma
Psiquiátrica de Minas) : 207
O impossível da supervisão em saúde mental 215
Notas sobre a história da psiquiatria mineira 219
História mínima da clínica psiquiátrica 229

ADENDO 235
Testemunho: Uma linda mulher

SOBRE O AUTOR 247



Forma de pagamento

Forma de pagamento