ENQUANTO O FUTURO NÃO VEM - A PSICANÁLISE NA CLÍNICA INTERDISCIPLINAR COM BEBÊS

ENQUANTO O FUTURO NÃO VEM - A PSICANÁLISE NA CLÍNICA INTERDISCIPLINAR COM BEBÊS

Código: 9788585458294 (CO)

Marca: Ágalma


Autor: JULIETA JERUSALINSKY

Editora: ÁGALMA

Ano: 2002 / 3ª edição

Coleção: DE CALÇAS CURTAS

Número de páginas: 306

Categoria Principal: Clínica da Infância e da Adolescência


leia mais

R$75,00

até 2x de R$37,50 sem juros

2 unidades em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe


Este livro dedica-se a fundamentar a extensão conceitual que o termo estimulação precoce assume na clínica com bebês a partir do corte epistemológico que a psicanálise - sobretudo pela transmissão de Freud e Lacan - produz nesse campo. Por estar apoiado na experiência em equipe interdisciplinar de estimulação precoce, ele se dirige a todos os profissionais que intervêm com a primeira infância.

SUMÁRIO
Prefácio - Sobre o tempo, estímulo e estrutura, 11
Angela Vorcaro

l. Situando a clínica com bebês, 21
A infância, os bebês e o surgimento da estimulação precoce, 27

2 Impasses do estímulo na clínica com bebês - da exercitação repetitiva ao
exercício da função materna, 46
Do estímulo sensorial à rede significante materna, 52
O lugar do estímulo na clinica com bebês a partir do corte epistemológico
da psicanálise, 58

3 Estimulação precoce? Educação precoce? Intervenção precoce? -problemas
epistemológico s na nomeação de uma especificidade clínica, 66

4 Temporalidade na clínica com bebês, 79
A articulação dos três registros do tempo na clínica com bebês, 83

5 Entre dois nomes, a certeza de um diagnóstico (caso clínico), 96
Da universalidade da síndrome à singularidade de seus efeitos na fantasia
materna, 101
O sintoma parental e o lugar do bebê, 104
Do que se escuta no discurso parental e do que se lê na produção do bebê, 105
Intervenção em ato na clínica com bebês, 110
Sustentando a singularidade do bebê, uma e outra vez, 111

6 A demanda de tratamento na clínica com bebes - quando o futuro fica em
xeque, 114
Quando a pergunta pelo futuro apresenta uma duplicação, 116
Reconhecimento, filiação e diagnóstico, 119
Um pequeno rei com o futuro em xeque é trazido a tratamento, 122
O saber do clínico face ao futuro do bebê, 126

7 A. intervenção do clínico no marco da estimulação precoce, 132
A loucura necessária do clínico na intervenção com bebês, 132
O circuito de desejo e demanda, 136
Quando o circuito de desejo e demanda encontra uma fratura, 139
Articulando as vicissitudes pulsionais do bebê ao circuito de desejo e
demanda do Outro, 140
A intervenção como o estiramento da corda pulsional do bebê, 145

8 Temporalidade e desenvolvimento, 149
Crescimento, maturação e desenvolvimento, 150
Limites impostos pela passagem do tempo cronológico ao
desenvolvimento, 152

O que a passagem do tempo cronológico não resolve quanto ao
desenvolvimento, 154
Organismo e marcas simbólicas, 156
Parcialidade da pulsão e sujeito do inconsciente, 157
Da parcialidade pulsional à antecipação de uma imagem do corpo, 159
Da antecipação do Outro encarnado à precipitação de uma realização do
bebê,160
Função paterna e constituição na infância (recorte clínico), 163
Sobre os diferentes momentos lógicos implicados na constituição do
sujeito, 165
Desenvolvimento como linha imaginária construída a posteriori, 167
A autoria de uma aquisição instrumental e a subversão do desejo, 171

9 O bebê e o sintoma, 174
Diferenciando o mal-estar dos pais de efetivos problemas na constituição
do bebê (recorte clínico), 175
Quando o bebê apresenta um sintoma que torna necessária a intervenção
clínica, 181
Sintoma do bebê ou no bebê?, 185

10 Pedro e o escorregador- o que deslisa quando brincamos- (caso clínico), 194
Do quadro orgânico à leitura clínica do sintoma, 195
Do encaminhamento médico à formulação de uma demanda parental, 199
Intervindo com o sintoma de Pedro e com sua articulação ao sintoma parental., 201
O tratamento como abertura de um lugar e um tempo para as produções
de Pedro, 204
Da posição de impotência à delimitação do impossível, 207
Realização psicomotora, reconhecimento e surgimento do sujeito, 210
Realização instrumental como precipitação do sujeito e como ato simbólico, 216
A repetição própria do brincar e o acesso ao simbólico, 219
A mudança na primazia de zona erógena, 220
Deslizamento significante e estiramento da corda pulsional, 223

11 E possível prevenir ou só resta remediar?, 224
Prevenção secundária na clínica com bebês, 225
Prevenção primária na clínica com bebês, 235
Critérios para detecção precoce de problemas no desenvolvimento e na
constituição psíquica, 245
Diferentes modalidades de intervenção para a detecção precoce, 256

12 Clínica com bebês: da estrutura ao nascimento do sujeito, 258
O bebê e a estrutura edípica, 260
Considerações acerca do conceito de estrutura em psicanálise, 266
A estrutura psíquica e suas temporalidades, 276
A temporalidade implicada na constituição de um bebê como sujeito face
à estrutura, 283
Vamos brincar enquanto o futuro não vem, 294



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento