A ESTRANHEZA DA PSICANÁLISE - A ESCOLA DE LACAN E SEUS ANALISTAS

A ESTRANHEZA DA PSICANÁLISE - A ESCOLA DE LACAN E SEUS ANALISTAS

Código: 9788537801680

Categorias: Lacan / Lacan

Marca: Jorge Zahar


Autor: ANTONIO QUINET
Editora: JORGE ZAHAR
Ano: 2009
Número de páginas: 206
Categoria Principal: Lacan


R$64,90

até 2x de R$32,45 sem juros

1 unidade em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

Não há formação do analista; há formação do inconsciente, dizia Lacan, para ressaltar que a necessidade de aprendizado e de prestação de contas por parte do psicanalista existe, mas ela é individual e não pode ser padronizada por leis. Numa época em que se discute a possível regulamentação, pelo Estado, da prática profissional do analista, essa afirmativa mostra o quanto é essencial um retorno aos fundamentos da Escola de Lacan.Mostrando a articulação entre teoria, clínica, instituição e política, Quinet examina em profundidade a conjunção entre a análise e o ensino. Nesse percurso, descreve e comenta o projeto original de Lacan ao fundar a Escola Freudiana de Paris, em 1964; detalha as causas de sua dissolução em 1980 e as consequências da pluralização de escolas de psicanálise em todo o mundo.

Prefácio: Ex-tranha 9

O estranho, a Ex-tranha, 9 - As Escolas passam, a de Lacan fica, 11

A desregulamentaçõo, 13

Introdução: Da entrada à saída 17

A entrada vista a partir do passe, 20 - A transmissão da entrada em análise, 21


I- A política do analista e a causa analítica 25

1. A causa analítica 27

A causa e o efeito, 27 - O neurótico e a causa, 28 - A causa significante, 30 - A verdade como causa, 30 - A Coisa como causa, 32 - O objeto causa, 33 - A causa nos laços sociais, 34 - Agalma (??????), 37 - Segregação e separação, 38 - O soll da causa analítica, 40

2. A política do discurso do analista 42

A política no divã, 42 - A política nos laços sociais, 45 - A política na Escola de Lacan, 48- A política extraterritorial, 50

3. A transmissão no ensino de Lacan 53

Como se transmite a psicanálise?, 53 - O que se transmite na experiência psicanalítica, 54- O que o analista deve saber?, 56 - A via do estilo, 57 - A via do materna, 58 - A Escola e a formação dos analistas, 61 - Os três riscos, 64.


II - A Escola de Lacan 67

4. A novidade da Escola no movimento psicanalítico 69

Os antecedentes da fundação da EFP, 69 - A novidade da Escola, 71 - O passe, 81 - O cartel, 84 - Os impasses da EFP, 87

5. A Escola de Lacan: Um conceito 91

Escola no sentido grego, 92 - Escola: Organismo de trabalho, 94 - A psicanálise aplicada e seus desvios, 95 - A instituição e a psicologia das massas, 100 - A Escola como Hetera, 106 - O passe e o passador, 110

6. Da formação à destituição suficiente 114

O grafo da Escola, 118 - AME, 121 - A supervisão, 124


III - A análise do analista 131

7. O ato analítico e sua antecipação 133

Dispor do ato analítico, 135 - O termo da transferência, 136 - Passe e fim da análise, 138 - O passe antes do final de análise, 141 - A marca de rebotalho, 143 - Momentos, 144 - A historisterização, 148

8. O tempo do quadro, a travessia da fantasia 150

A perspectiva e o sujeito da representação, 151 - O triunfo do olhar, 153 - O tempo em Las meninas, 154 - A fantasia em cartaz, 158 - Da cena primitiva à fantasia-cartaz, 160 - Uma criança é espancada, 161 - A travessia da fantasia, 163

9. Sinthoma e estilo 166

A cifra do sinthoma, 167 - O Um da letra do sinthoma, 168 - A letra e a lalíngua, 171 - O sinthoma-letra no nó discurso do analista, 181 - Lacan e seu estilo, 182 - A transmissão do estilo, 183

Posfácio: Um enxame decotando 187

Notas 192
 



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento