O LUGAR DA CLÍNICA NA REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA - POLÍTICA E PSICANÁLISE OITO ANOS APÓS A LEI

O LUGAR DA CLÍNICA NA REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA - POLÍTICA E PSICANÁLISE OITO ANOS APÓS A LEI

Código: 9788580426366

Marca: Editora CRV


Autor: Daniela Santos Bezerra

Editora: CRV

Ano: 2013

Número de páginas: 162

Categoria Principal: Psicologia da Saúde



R$44,22

até 2x de R$22,11 sem juros

1 unidade em estoque.

Em estoque

Compre com segurança

Compartilhe

O presente livro é fruto da consolidação de uma aposta feita no período de elaboração da pesquisa de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da UERJ entre 2006 e 2008. Trata-se da tentativa de situar o estatuto dado à dimensão da clínica nos serviços da rede de atenção psicossocial do Brasil em um momento político diferente do atual: a Reforma Psiquiátrica era a principal diretriz de condução da saúde mental em nosso país. Atualmente, os gestores, muitas vezes desconhecendo os princípios que devem nortear a rede, vêm buscando soluções imediatistas e excludentes que remontam a Europa do séc. XVII, antes de Pinel. A dissertação foi escrita a partir da inserção da autora como pesquisadora junto ao CAPSI Pequeno Hans no Rio de Janeiro/RJ e como pesquisadora e servidora da Unidade I do Complexo Integrado de Atenção Psicossocial (CIAPS) Adauto Botelho em Cuiabá/MT. A Reforma Psiquiátrica Brasileira era um processo de construção de novas práticas em saúde mental, cuja ênfase foi depositada na ressocialização, no resgate à cidadania dos usuários dos serviços, deixando muitas vezes, de lado as questões da clínica, como a relação do sujeito com os profissionais do serviço, o desejo e a realidade psíquica, fundamentais no processo de adesão ao tratamento necessária à própria consolidação da autonomia do cidadão. Revelaram-se fundamentos de clínicas diferentes que orientam as práticas fragmentadas dos profissionais; algumas situações de tensão entre a clínica e a política, como dois polos excludentes e a necessidade viva de produção de saber sobre a prática cotidiana dos serviços que proponha novos caminhos e se desprenda da letra burocrática. A autora usa como marco teórico-metodológico as descobertas de Sigmund Freud retomadas por Jacques Lacan e busca contribuir com algumas noções extraídas da clínica psicanalítica para propor, em vez de exclusão intrínseca, uma política que passe pela clínica.

PREFÁCIO 13

INTRODUÇÃO 19

CAPÍTULO I
A CLÍNICA E O CAMPO DA SAÚDE MENTAL PÚBLICA 29
I.1- Do nascimento da clínica às várias clínicas possíveis 30
I.2- Reforma Psiquiátrica: a clínica sob questionamento 42

CAPÍTULO II
A PSICANÁLISE E A REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA 55
II.1- A Clínica numa outra cena 59
II.2 - A clínica psicanalítica, a instituição e a psicose 68

CAPÍTULO III
QUESTÕES DA PRÁTICA CLÍNICA 85
III.1- Da metodologia e contextualização da pesquisa 85
III.2. - A direção clínica como sustentação de trabalho do CAPSI Pequeno Hans 90
III.3. - A rede de atenção psicossocial em Mato Grosso 105
III.4. - Possibilidades da clínica na internação psiquiátrica 108

CAPÍTULO IV
UMA NOVA POLÍTICA QUE PASSA PELA CLÍNICA 123
IV.1- A Transferência e o desejo do analista 128
IV.2- A relação do usuário com a rede de serviços em saúde mental 140

CONSIDERAÇÕES FINAIS 151

BIBLIOGRAFIA 153



RECEBA NOSSAS OFERTAS
E LANÇAMENTOS

Forma de pagamento

Forma de pagamento